segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O VAZIO DAS HORAS

                  

Te recordo, te abraço...
Novembro se aproxima,
e com ele O vazio de todas as horas!
Horas idas e desesperadas...
Era noite, E a Lua era de prata
Como teu ondulado nome...
Te recordo e te beijo;
Desde o primeiro fio dos teus negros cabelos
Até o cansaço de cada um dos teus lineares dedos.
Es tu novamente no espelho de minhas pupilas,
E es tu indelével em cada página da minha furtiva vida!
As cores vibram no meu assombro
Quando te procuro por cima do meu ombro
E simplesmente não te encontro!
Tal vez seja por isso que te recordo
Nesta infinita noite do Rio de janeiro
Porque a Lua canta com sua voz de prata
Em quanto falta-lhe som a minha garganta,
E penso no teu cheiro que esta noite exala!
Para ti , no teu singelo silêncio...
RCH

Nenhum comentário:

Postar um comentário